A saída de Wilson Ferreira e o fim das ilusões com as estatais brasileiras

by @prflavionunes

Apesar de ter sido uma escolha do governo Michel Temer, em 2016, Wilson Ferreira à frente da Eletrobras ainda representava um verniz de iniciativa privada dentro da gestão declarada liberal do governo de Jair Bolsonaro. E mais: pelo peso que seu nome carrega, era o fio de esperança sobre o processo de privatização da companhia — mesmo que no futuro — e simbolizava o avanço na governança das estatais brasileira.

As três maiores empresas públicas da B3, Petrobras, Banco do Brasil e Eletrobras, valem juntas mais de R$ 510 bilhões, o que representa 10% da capitalização de toda a bolsa brasileira. As ações dessas três estatais respondem por 13% da composição do Índice Bovespa.

Ferreira sai no começo de março. Não se sabe quem vem. Pior que a dúvida: ele é, na verdade, a quarta liderança de empresa pública a renunciar. Em julho do ano passado, Rubem Novaes se desligou do Banco do Brasil. Em agosto, Mauro Rodrigues da Cunha deixou a posição de presidente do conselho de administração da Caixa. Nos últimos dias de dezembro, José Guimarães Monforte também optou por sair da presidência do conselho da própria Eletrobras.

Mais do que minar de vez a aposta na capitalização da estatal do setor de energia, o movimento de Ferreira tem repercussões negativas sobre a percepção da governança de todas as estatais. Ainda mais com as alianças de centro que o governo vem promovendo (ainda que consideradas necessárias), e a disputa pela presidência da Câmara dos Deputados entre Arthur Lira (PP-AL) e Baleia Rossi (MDB-SP) para suscessão de Rodrigo Maia (DEM-RJ). O candidato à presidência do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), nem chegou e já colocou a privatização em dúvida.

Não se trata apenas de não privatizar. Ninguém acredita que eles vão se preocupar nem em minimamente manter o avanço na gestão das empresas públicas iniciado na gestão Temer. O congelamento desses temas é tido como relevante para que o convite da BR Distribuidora tenha se tornado irresistível à Ferreira, que promoveu um ciclo de mudanças e tirou o negócio do atoleiro.

Em 2016, houve aprovação da Lei 13.303, que trata da governança das estatais e que afastou a possibilidade de indicação de políticos como administradores dessas empresas. Em junho de 2020, o atual presidente da Secretaria de Coordenação e Governança de Empresas Estatais (Sest), Amaro Gomes, na sequência do trabalho promovido pelo antecessor Fernando Soares, criou um estatuto padrão para as empresas públicas, para aproximar a conduta das diretrizes da Organização para Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE). Não se tem notícia de sua adoção até o momento.

A preocupação é que a teia que estava se formando para proteção da governança das empresas de controle da União — conquistada a duras penas na esteira da Operação Lava-Jato e do escândalo na Petrobras — nem bem se constituiu e já está se desmanchando aos olhos do mercado. Essa é sensação de quem acompanha as notícias ao longo dos últimos meses.

A saída de Ferreira vem na sequência de uma ameaça de demissão do presidente do Banco do Brasil, André Brandão, após o lançamento de um programa de demissão voluntária que pode alcançar até 5.000 colaboradores e junto com o fechamento de 316 unidades, sendo 112 agências. A iniciativa do executivo caiu mal em Brasília e o próprio presidente Bolsonaro chegou a colocar o cargo de Brandão em risco e a sinalizar uma interferência para reversão das medidas.

E o tempero extra de tudo isso é o que? O crescente debate sobre uma defasagem nos preços de combustíveis praticados pela Petrobras. Alguém aí lembra de 2014?

Quando deixou o governo em agosto do ano passado, Salim Mattar, o controlador da Localiza que decidiu aceitar ser secretário de Desestatização e Privatização do governo Bolsonaro, constatou publicamente: a tese liberal de um governo mais enxuto é muito aplaudida, mas pouco apoiada. O establishment vai contra. E falou como profissionais da iniciativa privada ainda são, no fundo, estrangeiros iludidos no meio da coisa pública. “O Paulo Guedes, que é muito bom, divide os sonhos com o mercado. Não os planos. Porque ação mesmo, tem pouca. É a política do momento”, disse um dos entrevistados pelo EXAME IN.

Fonte: Exame

Pr. Flávio Nunes

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta

Chat Aberto
Posso lhe ajudar?