Setup Menus in Admin Panel

  • LOGIN
  • Nenhum produto no carrinho.

Êxodo de cristãos do Oriente Médio seria uma catástrofe, diz diretor de organização

O que acontece nas próximas semanas no Iraque, Síria e Líbano será crucial para os cristãos do Oriente Médio para a estabilidade e o pluralismo nesses países e em toda a região, afirma Carl Anderson, diretor da organização cristã Knights of Columbus ao New York Post.

Apesar de o cristianismo ter nascido no Oriente Médio, os seguidores de Jesus Cristo enfrentam um momento perigoso, afirma Anderson. Por causa da perseguição “a parcela cristã da população encolheu para cerca de 5% (se houver), abaixo dos 20% na virada do século passado”.

Segundo o diretor, o declínio atesta um século de sua perseguição implacável, marcada pelo genocídio cometido pela Turquia há um século e pelas recentes execuções feitas pelo Estado Islâmico.

No Iraque, centenas de manifestantes estão exigindo o fim do governo sectário e a igualdade de cidadania para todos, independentemente de etnia ou religião. Nos últimos anos, os iraquianos comuns ficaram espremidos entre os totalitários sunitas do EI e a hegemonia imperial xiita do Irã.

“É por isso que os manifestantes estão pedindo a abolição da dependência do Iraque das leis islâmicas em favor de um estado abertamente civil … Os protestos permaneceram pacíficos apesar das centenas de mortos, principalmente por milícias apoiadas pelo Irã”, diz Anderson.

Ele diz que o futuro do estado iraquiano está na balança: “Ou se tornará mais sectário sob a influência de seus vizinhos mais poderosos – ou se tornará o país pluralista procurado por milhares de pessoas que marcham nas ruas, incluindo os cristãos”.

Enquanto isso, a Turquia lançou uma incursão no nordeste da Síria, lar de muitas comunidades cristãs, com aliados das milícias da Turquia na Síria, incluindo terroristas islâmicos, segundo líderes cristãos e observadores regionais credíveis.

Anderson diz que “Ancara [a capital da Turquia] protestou contra a recente resolução do congresso bipartidário para reconhecer o genocídio turco contra armênios e outros cristãos, e pouco fez para aliviar as preocupações de que suas ações na região refazem elementos daqueles dias sombrios quando se trata de cristãos e outras minorias regionais”.

A maioria dos cristãos no nordeste da Síria são descendentes de pessoas que fugiram dos turcos durante e após a Primeira Guerra Mundial, ou são pessoas que fugiram para o EI nos últimos anos.

“Quando a Turquia ataca um bairro cristão em Qamlishi (como no início de sua operação), ou quando seus procuradores atacam uma igreja cristã (como fizeram em outubro), ou quando terroristas islâmicos recém-ressurgentes matam cristãos do Oriente Médio e seus aliados eles são lembrados dos piores atos bárbaros do século passado”, lembra Anderson.

Ele conta que ainda há no Líbano protestos recentes contra a corrupção generalizada e a organização terrorista xiita Hezbollah, que serve como procurador do Irã naquele país.

“Até agora, a resposta do estado libanês tem sido amplamente não-violenta. Mas existe um medo real entre os cristãos de que, se a economia libanesa entrar em colapso, o exército libanês amplamente controlado por cristãos poderá cair”, diz.

Segundo Anderson, o caos econômico que se seguiu no Líbano pode mergulhar o país em crise e no êxodo em massa do último grupo estatisticamente substancial de cristãos em qualquer país do Oriente Médio.

Riscos

“Muitos cristãos perseguidos em outros lugares da região fugiram para o Líbano. Se o Líbano perder seu dom de pluralismo, isso pode significar o fim do conceito no resto da região”, afirma.

“Os governos da Turquia, Iraque, Líbano e Irã têm muita responsabilidade pelo que acontece daqui”, diz Anderson, que avalia que “o mesmo acontece com os Estados Unidos, historicamente o principal poder externo da região”.

“Para seu crédito, o governo Trump trabalhou para garantir que as minorias religiosas, que enfrentaram perseguição em grande parte do Oriente Médio, não sejam negligenciadas”, declara o diretor.

Ele diz ainda que os Estados Unidos devem desempenhar um papel decisivo nessas questões por meio da diplomacia.

“Os governos da região ainda ouvem atentamente Washington e devemos continuar pressionando pela proteção das minorias religiosas perseguidas. O bem-estar e a segurança física das comunidades cristãs indígenas devem ser tratados como um item permanente da agenda em todas as discussões de ajuda e assistência militar dos EUA com os governos regionais”, diz.

Print Friendly, PDF & Email

0 responses on "Êxodo de cristãos do Oriente Médio seria uma catástrofe, diz diretor de organização"

Leave a Message

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instituto Gamaliel © ITG . All rights reserved.

Setup Menus in Admin Panel

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
X
X