Setup Menus in Admin Panel

O Rei a Pomba e o Espírito

Mário Moreno/ março 27, 2020/ Artigos

(Jo 1:32-34)

E João testificou, dizendo: “Eu vi o Espírito descer do céu como pomba, e repousar sobre ele. E eu não o conhecia, mas o que me mandou a imergir com água, esse me disse: ‘Sobre aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que imerge com o Espírito o Santo.’ E eu vi, e tenho testificado que este é o Filho de D-us.”

No verso 32 João evoca uma imagem poderosa de uma pomba pousando como um sinal. É comum se concentrar no simbolismo da pomba em conexão com o Espírito o Santo. Sem dúvida, existe uma ligação tão óbvia. Mas seremos negligentes se também não recordarmos umas das maiores histórias da Bíblia Hebraica. Esta é a história da pomba que, depois de ter sido solta por Noé várias vezes, finalmente veio para descansar no solo seco. A pomba tornou-se um símbolo de segurança, esperança, paz e futuro.

No momento da imersão de Ieshua, a pomba repousou mais uma vez sobre o último símbolo de segurança, esperança, paz e futuro na tradição judaica – Ieshua o Ungido. Esta não é a única vez neste Evangelho que algo de enorme significado simbólico, como a pomba no verso 32, repousa sobre Ieshua.

O simbolismo do pouso da pomba também é importante no contexto do papel de Ieshua como Rei de Israel, o seu bom pastor. Uma coleção Cristã do século XVII de perguntas e respostas faz a seguinte pergunta: “Como o Ungido cumpriu o ofício de um Rei?” Uma resposta sucinta e clara é fornecida para a instrução do crente: “O Ungido cumpre o ofício de um rei, em nos sujeitando a ele próprio, em nos governando e defendendo-nos, e em detendo e conquistando todos seus e nossos inimigos.” Esta resposta é profundamente precisa quando se trata de destacar uma das funções mais importantes de um rei Israelita – conquistar e defender a fim de prover segurança. As imagens relacionadas à pomba na Bíblia simbolizam segurança, esperança, paz e futuro – exatamente o tipo de coisas que o rei de Israel deveria fornecer para seu povo. É em conexão com esta ideia que as boas novas nos contam que João o imersor declarou que Ieshua é o Filho Real de D-us (Jo 1:34).

Em Jo 1:51 Ieshua disse a Natanaiel, a quem curiosamente ele não chamou de um verdadeiro Judeu, mas de um verdadeiro Israelita. Esta terminologia foi perfeitamente adequada para um público Samaritano bem como para outros movimentos Israelitas, porém não-Judeus: “Em verdade, em verdade, vos digo que você verá os céus abertos e os anjos de D-us subindo e descendo sobre o Filho do Homem.” Você vai se lembrar, claro, que no sonho da escada de Ia´aqov os anjos subiam e desciam sobre o local que ficou conhecido como Betel, ou Casa de D-us (Gn 28:10-19).

Betel na tradição Samaritana era seu antigo centro de adoração. Na verdade, eles acreditavam que o Monte Gerizim e Betel eram um e o mesmo lugar. Os Samaritanos, que também eram Israelitas, acreditavam que Betel, e não o Monte Sião em Jerusalém deve sempre ser a capital espiritual do povo de Israel. O fato de que eles estavam preocupados com o futuro espiritual de Israel demonstra que eles eram Israelitas – mas não Judeus como Ieshua e seus seguidores. Seu centro de adoração estava na Samaria e não na Judeia.

O interesse especial em temas que agradam, mas não exclusivamente, a Samaritanos Israelitas é característica destas boas novas. Isso pode apontar para o fato de que as boas novas foram feitas primeiro para vários grupos inter-Israelitas; uma parte importante dos quais foram Samaritanos Israelitas. Isso também pode explicar por que o autor usa a palavra hebraica Ha Iehudim [MI¦ChD¥l¢D] (traduzida geralmente como simplesmente “os Judeus”) na forma que ele faz. Para Samaritanos Israelitas, as autoridades centradas em Jerusalém e suas subordinações religiosas fora da Judeia eram simplesmente – “os Judeus.”

Vejamos mais conexões sobre isso:

Em nossa parashá (Noach), o corvo é seguido pela liberação da pomba, que nas escrituras pode representar o Ruach HaKodesh (Espírito o Santo). Em Lucas 3:22, lemos: “o Ruach HaKodesh (Espírito o Santo) desceu sobre ele em forma física como uma pomba; e uma voz veio dos céus:” Você é meu Filho, a quem eu amo; Estou muito satisfeito com você“. Na parashat Noach, lemos que a pomba retorna com uma folha / ramo de oliveira … um símbolo do shalom de Adonai entre Ele e a humanidade. Não apenas representa o Ruach HaKodesh, e a aliança de paz que Adonai fez com Noach, mas a azeitona representa o Ungido, o Mashiach, que vemos reunido em Lucas 3:22. Assim, essa aliança de shalom em conexão com o Messias foi confirmada por Ruach Hakodesh, na forma de uma pomba.

O profeta Yesha’yahu (Isaías) fala desse ramo de oliveira que Adonai se estende à humanidade no capítulo 54:8-10, onde Ele diz: “Fiquei zangado por um momento e escondi meu rosto de você; mas com graça eterna terei compaixão de você“, diz HaShem, seu Redentor. “Para mim, isso é como o dilúvio de Noach. Assim como eu jurei que nenhum dilúvio como o de Noach voltaria a cobrir a terra, agora juro que nunca mais vou ficar com raiva de você ou repreendê-lo. Pois as montanhas podem partir e as colinas seja removido, mas minha graça nunca o deixará, e minha aliança de paz não será removida, diz Hashem, que tem compaixão de você“.

Este seria o destino de todo o Israel, para ser preenchido com o Ruach (Espírito) simbolizado pela pomba, e estar em paz com o Deus de Israel. Assim, aqueles que receberam o Ruach HaKodesh também seriam representados por esse símbolo, assim como o Messias estava conectado a ele. Afinal, a vontade de Adonai é que nós nos tornemos semelhantes ao Messias. É como ser guiado pelo Espírito. E, quando Yisra’el é liderado pelo Espírito, o Midrash Rabá, Shir HaShirim (Cântico dos Cânticos) diz sobre ela que: “Assim como uma pomba, uma vez que ela encontra seu companheiro, nunca o deixa por outra … assim como uma pomba cujos filhotes são tirada de seu ninho ainda não a abandona … assim como o povo judeu é fiel a Deus “. Novamente, essa fidelidade à aliança só acontece em conexão e identificação com o Ruach HaKodesh.”

Em conclusão, todas essas coisas apontam para o Messias, o Filho de D-us, sua obra salvadora e redentora, a justiça que ele traz sobre a Terra e a paz e luz que ele traz à humanidade. Aponta para a aliança do Messias que viria, que atuaria como uma arca para toda a humanidade, salvando-os e preservando-os do julgamento vindouro sobre a Terra. Ela nos ensina sobre a luta entre o Espírito e a carne, entre trevas e luz, e entre retidão e maldade. Que todos possamos receber o ramo de oliveira que Adonai está estendendo para nós através de Ieshua O Messias, através de Seu Ruach HaKodesh, e não ignorarmos uma libertação tão grande, como as pessoas antes do dilúvio.

Certamente entendemos que as três coisas estão reunidas em Ieshua: Ele como Rei foi visitado pela presença do Espirito o Santo no memento de sua imersão e depois disso atuou com toda a manifestação da unção na vida das pessoas assim como usou o conhecimento das Escrituras para instruir ao povo de Israel no significado da Torah.

Seu legado foi tão extraordinário que, após cumprir as Escrituras Ele ainda deixa para seus discípulos a promessa de que este mesmo Espírito que o usou para realizar muitos milagres também se apoderaria deles e realizaria sinais e prodígios na terra que mostrariam que a era messiânica (o poder soberano de Elohim) havia chegado.

Que sejamos todos instrumentos sim nas mãos do Espírito o Santo e façamos aquilo que Ieshua deseja de cada um de nós!

Baruch há Shem!

Tradução e adaptação: Mário Moreno.

Print Friendly, PDF & Email
março 27, 2020

0 responses on "O Rei a Pomba e o Espírito"

Deixe uma resposta

Instituto Gamaliel © ITG . All rights reserved.

Setup Menus in Admin Panel

Pular para a barra de ferramentas