Como a alta dos títulos americanos pode afetar os investimentos no Brasil

by @prflavionunes

Desde o dia 5 de janeiro, quando ocorreram as eleições da Geórgia e foi definido um Congresso majoritariamente democrata, o dólar, que já estava a níveis historicamente baixos no mercado internacional, entrou em uma trajetória diferente do que seria esperado com a onda azul. Com os democratas à frente do poder, é natural que o mercado espere mais derretimento da moeda americana, mas essa expectativa não resultou em queda neste período de 21 dias, de lá até aqui. Chamado de índice dólar, o DXY mede a força da moeda em relação a uma cesta de moedas, passou a subir. Até o dia 5 de janeiro, ele estava em um ciclo de queda e atingiu 89,44, mas desde então sofreu altas e atingiu o pico de 90,77. E nesta terça-feira, 26, variou para baixo, mas continuou acima do patamar dos 90 pontos. Essa mudança mexe com o rendimento pago por títulos americanos. Algo que pode ter repercussões em todo mundo, inclusive no Brasil.

Esta leve pressão para cima tem nome: inflação. “A maior expectativa por estímulos fiscais, que naturalmente é reforçada com a Janet Yellen à frente do Tesouro, criou maiores expectativas de inflação no futuro e isso gerou maior interesse pelo dólar, pressionando as taxas de juros de longo prazo dos Estados Unidos”, diz Alejandro Ortiz, economista da Guide. O Yield to maturity (YTM), rendimento pago no vencimento dos títulos americanos, estavam abaixo de 1% para os títulos de 10 anos ao longo de toda a crise da Covid-19, mas após o resultado das duas cadeiras na Geórgia, conseguiu ultrapassar o patamar dos 1%.

Por um lado, o maior rendimento de títulos americanos pode assustar emergentes, que perderam vantagem em seus títulos de renda fixa quando comparados aos rendimentos dos títulos americanos. Mas os analistas creem que logo o dólar deverá entrar em um ciclo de derretimento novamente e por isso não se tornam uma ameaça para os emergentes.

A quarta-feira 27 será um dia de agenda importante para os mercados: o Federal Reserve anunciará a sua decisão sobre a taxa de juros e haverá a conferência de imprensa do Fomc. E a boa notícia para os mercados é que é praticamente certa a continuidade da política “dovish”, de derretimento do dólar e mais auxílios fiscais. “O Fed já sinalizou diversas vezes que as taxas de juros básicas de curto prazo devem ficar em patamares extremamente reduzidos até pelo menos 2023. Isso tira um pouco de pressão do índice dólar e a tendência de médio prazo é que ele caia com a adoção de uma política monetária extremamente acomodatícia, frouxa, e estimulativa”, diz Ortiz, da Guide.

No Brasil, a pressão do risco fiscal do país sobre o real ocorrida nos últimos dias foi aliviada nesta terça-feira, 26, e o dólar comercial fechou em baixa de 3,304%, a 5,32 reais. A ata da reunião do Copom na semana passada contribuiu com esse quadro. O documento não garante que as taxas de juros do país não subirão a partir de março deste ano e afirmou que isso depende do índice de inflação. Com a possibilidade de alta do juros dos títulos do país, os investidores internacionais se dispõem a investir mais aqui, o que naturalmente aumenta a oferta do dólar no país e diminui o seu preço em real. Enquanto o juros dos títulos americanos não sobem mais, a possibilidade de alta da Selic do Brasil pode ser uma boa notícia para o câmbio do país. Resta saber se o governo conseguirá dar segurança aos investidores internacionais tanto por meio de discursos quanto por meio de ações.

Fonte: Veja

Pr. Flávio Nunes

Postagens Relacionadas

Deixe uma resposta

Chat Aberto
Posso lhe ajudar?